COMMIT

O sol nascendo aqui na Unicamp é um espetáculo que vale a pena ser visto. Aqui da piscina do hotel eu acordei cedo para colocar as idéias no lugar. Ainde temos muito trabalho pela frente. Colocar as palestras no site, acertar toda a parte burocrática e acertar um problema ou outro.

Mas ontem terminamos o evento. Como sempre, muitos problemas, muito mais do que os participantes do evento possam imaginar. Muitos erros, mas também muito aprendizado com os erros das edições anteriores.

Novos patrocinadores, novos palestrantes, novos temas, novos organizadores, novos participantes, novos clientes, novas idéias. Sim. Muita coisa nova. Sobre tudo, novos amigos, novas perspectivas, novos horizontes.

Se o primeiro PGCon Brasil, em 2007, foi um marco em termos de organização da comunidade, hoje, em 2009 temos um novo marco. As pessoas bateram à  nossa porta, entraram no evento, subiram no palco e disseram: “Hey, nós estamos utilizando o PostgreSQL em missão crítica aqui, precisamos da ajuda de vocês”. Sim, o PostgreSQL está crescendo e tomando de assalto grandes CPDs. Não é mais algo que entra pela porta dos fundos. Muita gente já testou, já sabe que funciona e também conhece suas peculiaridades. Já temos casos de implantações grandes rodando há alguns anos. Não é mais uma aventura, é uma realidade.

Sim, muita gente não sabe disso. Temos muito o que caminhar. Mas quem acompanha as listas de discussão (você AINDA não acompanha?), o planeta e principalmente acompanha os nossos eventos sabe que as coisas estão mudando. Pare para pensar como eram as coisas há 5 anos atrás?

Bom, ontem eu vi porquê valeu a pena esperar 3 anos para trazer o Bruce Momjian para o Brasil: em um dado momento ele contou um pouco da história do PostgreSQL e da sua história no PostgreSQL. De como ele começou a se dedicar ao projeto e de como aquilo inicialmente afetou a sua família e as suas finanças pessoais. Mas de repente, algo estranho começa a acontecer…. as pessoas começaram a utilizar o Postgres no Japão! Sim, em ambientes de produção. Estas pessoas criaram uma comunidade, com artigos, documentação, livros, profissionais qualificados e se tornaram o primeiro mercado a efetivamente utilizar o PostgreSQL para valer. A dedicação por anos de trabalho parece ter valido a pena.

Para mim isto tem um significado muito especial. Todos que me conhecem sabem que eu ainda não me sustento trabalhando com PostgreSQL. Mas já fazem alguns anos que eu tenho mantido algum tipo de contribuição para a comunidade brasileira. Sim, tem muita gente que começou muito antes e fez muito mais do que eu. Mas para mim e para muitos outros a questão é acreditar no projeto, acreditar nas pessoas. Cada vez que conheço um novo desenvolvedor do time central do Postgres eu fico mais empolgado. Pois são pessoas facinantes que estão desenvolvendo o Postgres. São pessoas que não são apenas desenvolvedores extraordinários. São pessoas com uma cultura e uma visão de mundo fantástica. É fantástico poder conversar com estas pessoas e saber que existem mais loucos pelo mundo. Que estes loucos fazem a diferença no mundo e que talvez você possa até fazer parte disso tudo, de dar a sua parte para construir um mundo mais próximo daquilo que você acredita que ele deveria ser.

YES, WE CAN!!!

IS DONE

IS JUST THE BEGINING…

Ok, devo postar mais sobre o evento, as fotos, as palestras, as pessoas, e outras coisas que rolaram no PGCon Brasil 2009, mas o dia já está claro e a água da piscina parece estar ótima… 🙂

1 comentário

  1. Edson Kazuto Tagusagawa Responder

    Olá Telles,

    Posso te dizer que a 2 semanas eu era totalmente analfabeto em termos de banco de dados, eu conhecia os nomes do Postgresql, do Mysql, do DB2 e do Oracle, que eu considero que são os SQL puro sangues do mercado.

    Minha integração com o Postgres era instalar os pacotes RPM, setar na inicialização, particionar o diretório do banco e no máximo fazer um dump.

    Por muitos anos esta era minha rotina, risos…

    Bem então eu tive a oportunidade de conhecer o Bruce Momjian em uma palestra em São Paulo no dia anterior ao PGCON-2009

    Confesso que no passado recebi sim os convites para os PGCONs anteriores, mas eu simplesmente pensava, o que vou fazer em um evento de SQL?

    Contudo, pasmem, em 3 semanas, tudo o que eu conhecia de TI sofreu uma grande reviravolta, e hoje, simplesmente não posso dormir sem um banco de dados SQL.

    Portei todos os meus e-mails pessoais que estavam espalhados na Internet, no Google, Yahoo e Cia. Limitada, e passei a centralizar minhas informações em um Banco de Verdade, infelizmente ele ainda não é o Postgresql, mas o monitoramento do meu servidor de E-mails é via Postgresql (mas ainda não subi o serviço, risos…)

    Praticamente, aproveitei e já apliquei quase todo o conteúdo aprendido nas palestras, na prática em situações que tive durante a implantação de meus sistemas e nos treinamentos que realizei na última semana, onde inclusive tivemos de usar técnicas de Restore.

    Pelo fato de conhecer como funciona o Postgresql, fico muito mais seguro para implantar os novos serviços, mesmo não sabendo nada de SELECT ou SQL.

    Paradoxalmente, na área de Infraestrutura todas as novas ferramentas da nova geração que permitem uso de metodologias avançadas e gerenciamente / monitoramento de performance e funcionamento, utilizam o bendito SQL, e tem todos os casos, é unanimidada que o Postgresql é o que escala melhor quando o problema é desempenho.

    Antes a um mês atrás todos os meus clientes utilizavam serviços que rodavam no Linux apenas fornecendo funcionalidades, a partir do mês que vêm todos estarão usando Sistemas vinculados a Banco de Dados com o objetivo de monitorar e gerenciar em alto nível a Infraestrutura.

    Absurdamente, apesar do PGCON enfatizar aplicações de grande porte, os conceitos obtidos também são extremamente úteis em pequenos e médios ambientes que em outra escala sobrem com os mesmos problemas e deficiências que os grandes.

    Finalizando gostaria de dar uma contribuição ao PGCON que foi muito bom, mas que deixou algo para sugestão:

    1) e-mail para contato, não é visível ou não tem
    2) link para emissão do certificado, eu anotei e perdi o papel, poderiam ter enviado na inscrição um e-mail com o link, assim não precisaríamos anotar, e no e-mal fica registrado e podemos pegar com calma depois
    3) poderia aproveitar o e-mail para fazer uma pesquisa de opinião e solicitar sugestões, assim de uma única vez, você fazem um upgrade.
    4) gostaria de sugerir que as pessoas se inscrevessem na comunidade brasileira do Postgresql e inclusive pudessem contribuir financeiramente como se fossem sócios de um clube, mediante uma anuidade que daria descontos nos PGCONs e eventos futuros, assim a receita ficaria estável e a inscrição seria mais voltada a novas pessoas físicas e jurídicas
    5) não houve espaço para patrocínio de Pessoa Física, poderiam ser valores “simbólicos” mas daria para pagar muita coisa como por exemplo: café de graça para a galera, impressão colorida dos certificados e envio pelo correio, por exemplo, para estas coisas uma Pessoa Física poderia ajudar e dar aquele PLUS para a galera, em troca ela teria seu nome divulgado como patrocinador, risos… eu poderia até fazer algo semelhante para o ano que vem, risos…
    6) o mais importante de tudo, abrir palestras para usuários finais, com uma visão mais de Sistema, para que programadores, diretores de TI, usuários, Vendedores possam ser convidados pelos DBAs para conhecer o Postgresql do ponto de vista de Sistema. Poderiam ser salas VIP ou com presença confirmada, sem cobrar, mas com o objetivo de alavancar o uso do Postgresql junto aos públicos que liberam a verba de projeto dentro das empresas, assim as empresas ou consultores poderiam convidar seus clientes para conhecer o uso do Postgresql e viabilizar projetos internos. Para isso o foco é diferente, envolve Aplication Severs, Interoperabilidade, uso em Portais de Serviço, Sistemas, incluindo aí a questão prática da Alta disponibilidade e Backup (este não pode faltar), a idéia e apresentar de forma simples as fetures que diferenciam o Postgresql no seu principal aspecto, se der pau, podemos corrigir rapidamente através do código fonte.

    100) gostaria de ter acesso as outras fotos tiradas no encerramento em Alta Definição, pois a da Entrada ficou muito boa, mas as outras ficamos apenas com água na boca, risos…

    Espero ter contribuido e espero também contribuir futuramente com o PGCON e com o Posgresql, ainda mais que algora me tornei um usuário de vocês.

    É muito importante agora começar a vender o Postgresql para os clientes, pois como pudemos perceber, o DBA já tem familiaridade e até comenta, que nos PGCONs alguns temas se repetem e que o foco agora é networking.

    Sou formado em Relações Públicas e por isto a minha visão é menos técnica e mais mercadológica, enquanto o Postgresql não alcançar o público alvo que são as pessoas que liberam a verba, seu uso será mais uma briga solitária do DBA e do Administrador de TI.

    Esta é a minha visão pessoal.

    Parabens pelo PGCON 2009

    E muito obrigado pelo grande presente que recebi que foi todo o conhecimento e experiência abertamente compartilhado no evento

  2. Edson Kazuto Tagusagawa Responder

    Olá Telles,

    Posso te dizer que a 2 semanas eu era totalmente analfabeto em termos de banco de dados, eu conhecia os nomes do Postgresql, do Mysql, do DB2 e do Oracle, que eu considero que são os SQL puro sangues do mercado.

    Minha integração com o Postgres era instalar os pacotes RPM, setar na inicialização, particionar o diretório do banco e no máximo fazer um dump.

    Por muitos anos esta era minha rotina, risos…

    Bem então eu tive a oportunidade de conhecer o Bruce Momjian em uma palestra em São Paulo no dia anterior ao PGCON-2009

    Confesso que no passado recebi sim os convites para os PGCONs anteriores, mas eu simplesmente pensava, o que vou fazer em um evento de SQL?

    Contudo, pasmem, em 3 semanas, tudo o que eu conhecia de TI sofreu uma grande reviravolta, e hoje, simplesmente não posso dormir sem um banco de dados SQL.

    Portei todos os meus e-mails pessoais que estavam espalhados na Internet, no Google, Yahoo e Cia. Limitada, e passei a centralizar minhas informações em um Banco de Verdade, infelizmente ele ainda não é o Postgresql, mas o monitoramento do meu servidor de E-mails é via Postgresql (mas ainda não subi o serviço, risos…)

    Praticamente, aproveitei e já apliquei quase todo o conteúdo aprendido nas palestras, na prática em situações que tive durante a implantação de meus sistemas e nos treinamentos que realizei na última semana, onde inclusive tivemos de usar técnicas de Restore.

    Pelo fato de conhecer como funciona o Postgresql, fico muito mais seguro para implantar os novos serviços, mesmo não sabendo nada de SELECT ou SQL.

    Paradoxalmente, na área de Infraestrutura todas as novas ferramentas da nova geração que permitem uso de metodologias avançadas e gerenciamente / monitoramento de performance e funcionamento, utilizam o bendito SQL, e tem todos os casos, é unanimidada que o Postgresql é o que escala melhor quando o problema é desempenho.

    Antes a um mês atrás todos os meus clientes utilizavam serviços que rodavam no Linux apenas fornecendo funcionalidades, a partir do mês que vêm todos estarão usando Sistemas vinculados a Banco de Dados com o objetivo de monitorar e gerenciar em alto nível a Infraestrutura.

    Absurdamente, apesar do PGCON enfatizar aplicações de grande porte, os conceitos obtidos também são extremamente úteis em pequenos e médios ambientes que em outra escala sobrem com os mesmos problemas e deficiências que os grandes.

    Finalizando gostaria de dar uma contribuição ao PGCON que foi muito bom, mas que deixou algo para sugestão:

    1) e-mail para contato, não é visível ou não tem
    2) link para emissão do certificado, eu anotei e perdi o papel, poderiam ter enviado na inscrição um e-mail com o link, assim não precisaríamos anotar, e no e-mal fica registrado e podemos pegar com calma depois
    3) poderia aproveitar o e-mail para fazer uma pesquisa de opinião e solicitar sugestões, assim de uma única vez, você fazem um upgrade.
    4) gostaria de sugerir que as pessoas se inscrevessem na comunidade brasileira do Postgresql e inclusive pudessem contribuir financeiramente como se fossem sócios de um clube, mediante uma anuidade que daria descontos nos PGCONs e eventos futuros, assim a receita ficaria estável e a inscrição seria mais voltada a novas pessoas físicas e jurídicas
    5) não houve espaço para patrocínio de Pessoa Física, poderiam ser valores “simbólicos” mas daria para pagar muita coisa como por exemplo: café de graça para a galera, impressão colorida dos certificados e envio pelo correio, por exemplo, para estas coisas uma Pessoa Física poderia ajudar e dar aquele PLUS para a galera, em troca ela teria seu nome divulgado como patrocinador, risos… eu poderia até fazer algo semelhante para o ano que vem, risos…
    6) o mais importante de tudo, abrir palestras para usuários finais, com uma visão mais de Sistema, para que programadores, diretores de TI, usuários, Vendedores possam ser convidados pelos DBAs para conhecer o Postgresql do ponto de vista de Sistema. Poderiam ser salas VIP ou com presença confirmada, sem cobrar, mas com o objetivo de alavancar o uso do Postgresql junto aos públicos que liberam a verba de projeto dentro das empresas, assim as empresas ou consultores poderiam convidar seus clientes para conhecer o uso do Postgresql e viabilizar projetos internos. Para isso o foco é diferente, envolve Aplication Severs, Interoperabilidade, uso em Portais de Serviço, Sistemas, incluindo aí a questão prática da Alta disponibilidade e Backup (este não pode faltar), a idéia e apresentar de forma simples as fetures que diferenciam o Postgresql no seu principal aspecto, se der pau, podemos corrigir rapidamente através do código fonte.

    100) gostaria de ter acesso as outras fotos tiradas no encerramento em Alta Definição, pois a da Entrada ficou muito boa, mas as outras ficamos apenas com água na boca, risos…

    Espero ter contribuido e espero também contribuir futuramente com o PGCON e com o Posgresql, ainda mais que algora me tornei um usuário de vocês.

    É muito importante agora começar a vender o Postgresql para os clientes, pois como pudemos perceber, o DBA já tem familiaridade e até comenta, que nos PGCONs alguns temas se repetem e que o foco agora é networking.

    Sou formado em Relações Públicas e por isto a minha visão é menos técnica e mais mercadológica, enquanto o Postgresql não alcançar o público alvo que são as pessoas que liberam a verba, seu uso será mais uma briga solitária do DBA e do Administrador de TI.

    Esta é a minha visão pessoal.

    Parabens pelo PGCON 2009

    E muito obrigado pelo grande presente que recebi que foi todo o conhecimento e experiência abertamente compartilhado no evento

    Edson Kazuto Tagusagawa
    11-9395-9687

  3. Leomar Responder

    Olá, Fábio.
    Estive na PGCon 2009. Foi o meu primeiro contato com PostgreSQL. Sou um cara basicamente Microsoft (e alguma coisa de Oracle), por isso tive dificuldade para me entrosar com o pessoal. Vou passar a acompanhar mais de perto a tecnologia e, se possível, estarei presente nas próximas PGCons. Assisti a sua palestra, e, eu sendo DBA SQL Server, foi uma das mais interessantes.
    Pedi um cartão seu após a sua palestra, mas você não tinha e pediu para eu procurar pelo seu nome no Google. Pois bem, eu achei. hehe… Você presta consultoria ou dá treinamento? Eu gostaria do seu contato, pois na minha empresa já tivemos demanda de Postgres e não pudemos atender.
    Aguardo o seu retorno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *