Como foi o PGCon Brasil 2008

Cheguei em Campinas no dia 25/09 a noite. Encontrei o David, Euler, Fike e Dickson já por lá. Guardamos o material que estava no meu carro no hotel e fomos jantar no Aulus. Por lá já acertamos o Happy Hour do dia seguinte. Já de volta, começamos a imprimir a grade do evento que foi alterada na última hora devido a desistência de um palestrante. Como a desistência só foi confirmada no dia 25, tivemos que imprimir tudo no mesmo dia. A minha pequena impressora já estava preparada. Compramos dois cartuchos pretos para imprimir inclusive as etiquetas dos crachás e certificados. O problema é que por algum motivo bizarro, o BrOffice insistia em usar cor para imprimir umas tarjas cinzas da grade e o cartucho colorido logo acabou… aí começaram as gambiarras que o fike citou.

No final fui dormir quase 4 da manhã após terminar de montar as pastas com o material dos patrocinadores. Ainda teve gente que varou a noite imprimindo os crachás. De toda forma, 6 horas da manhã eu levantei e às 7h cheguei no Centro de Convenções. Dois patrocinadores já estavam a postos para montar seus stands. Encontrei o pessoal da Unicamp e em minutos já estava todo mundo trabalhando. Logo o resto da equipe de organização chegou e assim foram chegando os primeiros inscritos no evento. Lá pelas 8h começamos o credenciamento e uma boa fila se formou. Acertos com pagamentos, crachás, pastas, etc. São 9h e estamos prontos para começar… prontos? Opa… um dos oradores não está lá. Telefone, contatos e nada. Após alguns minutos decidimos começar assim mesmo. Enquanto eu ia chamando os oradores, a pessoa que estava faltando chegou e tudo correu tranquilamente.

Hino, falas curtas e as palestras começam para valer. O primeiro palestrante foi o Sr. Diogo Biazus. O fato de ter um computador fixo para apresentar as palestras se mostou útil, pois trocar de notebook toda hora consumia muito tempo. A palestra do Diogo correu numa boa. Ele fez um resgate do histórico da comunidade brasileira e até o SAVEPOINT aqui apareceu por lá. Fiz algumas piadas idiotas no meio das perguntas e logo fomos para o café. Na hora do café tudo correu tranquilo. Pelo olhômetro já tinhamos mais de 200 pessoas no local. Aos poucos este número ia subindo. Foi a vez então do Fernando Ike apresentar os Sky Tools. A palestra levantou dúvidas na platéia e acredito que o tema veio a calhar para muita gente.

Hora do almoço… ao pegar uma mesa no andar de cima… comecei a sentir dificuldade ao subir as escadas no restaurante. Voltei e chegou a vez da minha palestra. Tive que palestrar sentado, meu pé já estava bem inchado a esta altura. Eu abusei bastante reconheço. Abusei do meu tempo também. Devo ter estourado uns 15 minutos…

Depois da minha palestra, involuntariamente eu abri mão do meu lugar de orador e fiquei mais no saguão do evento acompanhando o movimento. Vi pequenos flashs da palestra do Euler, Dickson e David. Só voltei para assistir a última palestra do pessoal do SIPAM que foi muito bacana.

A noite fomos para o Happy Hour. Não foi muita gente, mas o pessoal parecia bem animado. Acabei voltando cedo para o hotel e capotando logo. Eu estava realmente exausto. Acordei cedo e levei o David para o Centro de Convenções para ele testar o notebook nos projetores do auditório. A palestra sobre árvores foi de alto nível. Não sei quantos acompanharam o tema, mas foi muito interessante ver o funcionamento das tabelas de expressões comuns.

Depois da palestra do Fetter tivemos uma aula com o Leandro Dutra que teve 2 horas para falar sobre modelagem e ferramentas. O pessoal parece que gostou muito. Depois do almoço tivemos um pequeno atraso mas tudo acabou seguindo bem. Não assisti algumas últimas palestras, mas conversei com muita gente. De fato entrei em alguns debates interessantes, ouvi falar de implementações grandes, percebi grandes desafios sendo enfrentados.

O papo leve ou Lightning Talks foi uma parte realmente divertida no evento. Acho que serviu para dar um clima de fim de festa sem deixar de dar boas dicas. Bom, vejam uma amostra nas lâminas que já estão publicadas. No ano passado eu estive no palco quase todo o tempo, dando uma de mestre de cerimônias e cometendo várias gafes. Este ano estive mais comedido e meu corpo estava exigindo mais cautela. No entanto eu pude ouvir mais as pessoas. Isto foi interessante. Não ouvi pessoas se queixando da fila no credenciamento, nem do crachá que ficou tosco. Não ouvi pessoas reclamando do valor das inscrições ou da dificuldade de entrar em contato com a organização. Nada disso. Ouvi pessoas com problemas reais, com casos concretos de quem já está usando o PostgreSQL há tempos.

Acho que no final das contas tivemos mais palestras técnicas, com um nível mais alto e o mesmo aconteceu com o público. O nível do evento cresceu no geral. Os hacker talks, embora tenham contado com a presença de poucas pessoas, parece que trouxe novo fôlego a equipe de tradução e quem sabe para novos desenvolvedores. O pessoal já tem se agitado na lista pgbr-dev. Muito bom. Acho em 2007 saí do PGCon com uma sensação incrível de estar ajudando a construir um novo evento em nível nacional. Neste ano, vejo algo diferente. Deu mais trabalho. Muito mais. Temos muitas lições para aprender. Na verdade, mesmo estando exausto, já estou pensando em 2009.

Outra coisa que mudou é que este ano estou doido para ver as lâminas das apresentações que eu não vi. Para ver as fotos das partes que perdi, para ver os comentários de quem estava lá. De ver novas pessoas entrando no Planeta-PostgreSQL, de ver mais gente se envolvendo com a comunidade. Fico pensando em algumas pessoas que conheci e que tem bom potencial para palestrar no ano que vem. O pessoal do SIPAM já prometeu voltar no ano que vem… As inscrições neste ano trouxeram uma quantidade bem maior de trabalhos inscritos. Se o número de trabalhos aumentar novamente no ano que vem, teremos mesmo de pensar em ter 2 salas… quem sabe? Mais tutoriais, porque não? Lightining talks? Certamente. O limite somos nós que criamos mesmo.

Hã? O que você acha? Escreva você também! No seu blog, no wiki da comunidade, manifeste-se! O retorno de quem participou é fundamental para nós. Vejo vocês no PGCon Brasil 2009, e no Planeta-PostgreSQL, IRC em #postgresql-br, nas listas pgbr-geral e pgbr-dev e se forem tomar uma cerveja, podem me chamar também!

1 comentário

  1. Sheila Cardoso Responder

    Bom Dia Talles,

    Muito interessante sua explanação sobre o Making Off do evento. É importante as pessoas ouvirem o “outro lado” da história também, para sentirem vontade de comentar e ajudar para que se possa sempre melhorar o evento.
    Tomei a liberdade postar aqui para você pois sou consultora do Grupo Catho, consultoria em Recursos Humanos de Santa Catarina e disponho de uma oportunidade para atuar como Consultor DBA (Oracle e SQL Server) para uma grande empresa de TI da região. É uma ótima oportunidade e gostaria de conversar melhor com você para lhe apresentar a vaga e verificar se voê teria indicações de profissionais para essa oportunidade.

    Fico no aguardo de contato por telefone (47) 3041-0041, ou por e-mail scardoso@grupoatho.com.br.

    Obrigada pela atenção e Parabéns pelo sucesso no evento PGCon Brasim 2008.

    Cordialmente,

    Sheila Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *